sábado, 22 de maio de 2010

Carneiro Portela - Poeta Popular De Coreaú



Essa busca por nomes que amam, lutam e representam a nossa boa Cultura Popular é uma tarefa gratificante, pois, dá oportunidade de conhecer trabalhos maravilhosos de gênios tupiniquins, gênios nossos. Foi em uma dessas pesquisas que conheci o trabalho do poeta Carneiro Portela. Poesias sensacionais que trouxe, um pouco, para você que também gosta dessa nossa Brasilidade, Brasileira do Brasil.
Hoje o "A Arte Do Meu Povo" homenageeia o Poeta Carneiro Portela.
No site http://www.enciclopedianordeste.com.br/617.php encontrei as seguintes palavras sobre Carneiro Portela:






Antônio Carneiro Portela nasceu em Coreaú, Ceará, a 15 de julho de 1950. Filho de Francisco Carneiro Portela e Tereza Bento Portela. Pesquisador, poeta, advogado, professor, contador, publicitário, radialista e músico.
À frente do programa 'Nordeste Caboclo', Carneiro Portela é a voz da cultura cabocla, da essência da cultura nordestina.
O apresentador teve que transpor barreiras para levar a cultura popular para a televisão. Ele se orgulha por ser o pioneiro a fazer um programa sertanejo.
Formado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará, com licenciatura em Literatura e Língua Portuguesa.
Membro fundador do Clube dos Poetas Cearenses, da Associação dos Escritores Profissionais do Estado do Ceará, da União Brasileira dos Trovadores.
É sócio efetivo da Associação Cearense de Imprensa e da Associação Cearense de Jornalistas do Interior.
Obras publicadas: “Poemas da Minha Terra”, “Tempos de Versos” (de parceria com Pádua Lima), “Mistério Trindático” (de parceria com Pádua Lima e Élder Ximenes), “Os Novos Poetas do Ceará” Vol. I, II e III, “Nova Poesia Cearense” (antologia), “Poesia Cearense de Hoje” (antologia), “O Poeta e a Noite”, “Canto de Busca”, “Cantos da Manhã Distante”, “Canção do Medo”, “Carneiro Portela” (antologia poética), “Poesia Cabocla” Vol. I, “Máximas, Adágios e Legendas de Caminhão”, “Balada para os Fantasmas” (poesia), “Poesia de Agora” (antologia), “Ceará Caboclo” (poesia matuta), “Antologia do Apelido”.”



E no site oficial da TV Verdes Mares, o http://verdesmares.globo.com/tvdiario//noticia.asp?codigo=65789&modulo=511 encontrei:
Antônio Carneiro Portela é pesquisador, poeta, advogado, professor e músico. À frente do programa 'Nordeste Caboclo', Carneiro Portela é a voz da cultura cabocla, da essência da cultura nordestina.

O apresentador teve que transpor barreiras para levar a cultura popular para a televisão. Ele se orgulha por ser o pioneiro a fazer um programa sertanejo.

Desde a morte de Luiz Gonzaga, o autêntico forró deixou de falar do sertão, do seu povo, e perdeu o seu espaço. Com Carneiro Portela, aos domingos, a revelação indispensável de se valorizar o que é 'nosso'.”




Abaixo algumas obras desse mestre:


Se você me abandonar –
Carneiro Portela


Se você não me quiser
tomo licor de pimenta
bebo leite de jumenta
num lhe dou mais cafuné
desembrabeço a maré
pra ver a praia endoidar
eu faço a cobra fumar
se você fugir de mim
eu vou mudar de camim
se você me abandonar.

Se você não me quiser
bebo chumbo derretido
e nunca mais lhe convido
para ser minha mulher
num tem mais lua de mé
nem faço o sino tocar
nos lugares que eu pisar
num pode nascer capim
eu vou mudar de camim
se você me abandonar.

Se você não me quiser
arranco o rabo do peba
a galinha se amanceba
com outro bicho qualquer
não dá um adeus sequer
com vergonha do preá
e na hora de acordar
fica tocando clarim
eu vou mudar de camim
se você me abandonar.

Se você não me quiser
não é bom que se afoite
escovo a boca da noite
arranco a torre da sé
depois digo porque é
qui a muda não quer falar
o sol pára de brilhar
seu eu estiver sozim
eu vou mudar de camim
se você me abandonar.

Se você não me quiser
eu dou um susto na morte
talvez ela não suporte
se eu lhe der um cangapé
e na hora que eu estiver
danado pra namorar
digo a ela pra estourar
o meu amor com estupim
eu vou mudar de camim
se você me abandonar

Se você não me quiser
quebro a tampa do pinico
mas sozim não sei se fico
feito carro sem chofer
me dane se eu não fizer
a minha égua rinchar
e depois que me olhar
eu jogo ela pro vizim
eu vou mudar de camim
se você me abandonar.

Se você não me quiser
eu ensino um burro a ler
e peço a ele pra dizer
que você ainda me quer
mas se ela me disser
que você não quer voltar
eu digo a ele pra falar
nem que seja no latim
eu vou mudar de camim
se você me abandonar.

Se você não me quiser
eu fico brabo outra vez
e monto na gata pedrez
se outra igual não houver
se ela um chute me der
não ligo, tô com azar
mas se ela não concordar
qui eu sô bem bonitim
eu vou mudar de camim
se você me abandonar.





NESTE BRASIL DE NOVELA, FUTEBOL E CARNAVAL
Carneiro Portela


Veja a coisa como anda
Nesta Pátria idolatrada
Sua honra está manchada
Apesar da propaganda
Está entrando na ciranda
Da mídia fenomenal
E todo povo em geral
Com isto se dismantela
Neste Brasil de novela
Futebol e carnaval.

É tanta vagabundagem
tanta farra e anarquia
confundem a democracia
com a própria “fuleragem”
curtição e vadiagem
bacana com bacanal
quem anima é animal
quem tem pêlo não apela
neste brasil de novela
futebol e carnaval.

Brasilzim das mordomias
dos ladrões engravatados
de tanto reais jogados
nos cofres das loterias
o Brasil dos nossos dias
está enfermo,passa mal
fechando tanto hospital
não cura tanta mazela
neste brasil de novela
futebol e carnaval.

O Brasil vive jogando
sua cultura na lama
a novela é o programa
pra gente besta pirando
carnaval de vez em quando
para o povo é triunfal
no mundo não tem rival
chega dói na espinhela
neste brasil de novela
futebol e carnaval...


CANÇÃO DO SILÊNCIO
Carneiro Portela


Eu calo pra te dizer
que o meu destino é sofrer
meu canto perdeu a cor
fico pensando sozinho
que não me dás teu carinho
porque não e tens amor.

Deste jeito o tempo passa
eu levo a vida sem graça
porque não me queres bem
não sabes que os meus sonhos
são sentidos, são tristonhos
porque vivo sem ninguém.

E tu não sabes que eu vivo
como se fosse um cativo
preso na tua lembrança
não posso quebrar a grade
que me prende na saudade
meu restinho de esperança.

O silêncio me domina
a vida é tão pequenina
pra ser vivida aos pedaços
não quero nunca que chores
mas peço que não demores
a sossegar nos meus braços.

O silêncio se faz barulho
quando acaba com o orgulho
duma mulher que se ama
depois que ela se afasta
amar sozinha não basta
porque o peito reclama.







NESTE NORDESTE CABLOCO DE MÃE PRETA E PAI JOÃO
Carneiro Portela


Meu Ceará dos forrós
do cabra bom de sanfona
onde a campina é dona
do canto dos rouxinóis
sonata que a todos nós
traz grande admiração
qual tinido do baião
na tristeza dando soco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão

Meu Ceará das pelejas
dos poetas cantadores
aonde os emboladores
cantam as noites setanejas
e o dinheiro das bandejas
faz parte da diversão
tem cantiga de montão
e o povo inda acha poco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão

Ceará das tardes mansas
banhadas todas de sol
quando é noite o arrebol
mostra que as esperanças
espalhadas na amplidão
e em plena escuridão
caboré foge do toco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão

Ceará da seca braba
que traz dor e sofrimento
mas quando chega o momento
toda tristeza se acaba
a chuva logo desaba
não tem mais desolação
não se vê mais precisão
não existe mais sufoco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão

Meu Ceará dos Fortais
que acontecem todo ano
já entramos pelo cano
nas coisas tradicionais
que pra eles não prestam mais
pra que tanto 'zuadão'
pro rico, não pro povão
que detesta este papoco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão

Não sei como é que o povo
que toda vida foi forte
não muda sua própria sorte
busca um destino mais novo
mas se cala neste aprovo
em qualquer situação
no prato falta feijão
na prisão falta cossoco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão

Nosso povo é mais amigo
nosso céu é mais azul
mas vem das bandas do sul
uma coisa que me intrigo
a novela é um castigo
feito na televisão
é uma esculhambação
quando tenta o sapiroco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão

Um povo discriminado
na cultura e no saber
basta você perceber
como é pobre o nosso Estaso
político pra todo lado
jura com a bíblia na mão
mas eu num acredito não
nosso destino tá broco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão

Ceará onde a cultura
sofre um destino cruel
e o poeta menestrel
da madrugada futura
pisa na manga mandura
que cedo caiu no chão
foi-se embora a tradição
e a gente paga o troco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão

Ceará que é esquecido
da negrada de Brasília
Ceará onde a família
do miserável sofrido
tem o futuro perdido
quando é tempo de eleição
e o político safado
fica é dando cotoco
neste nordeste caboco
de mãe preta e pai joão.





SE O NORDESTE QUISESSE
ERA TUDO DIFERENTE...
Carneiro Portela


No Brasil se o o Nordeste
quisesse viver mió
botava voz no gogó
de todo cabra da peste
e saía pelo agreste
prefumando o ambiente
pois todo cabra valente
a sua bravura conhece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Bastava o povo querer
que fosse mais respeitado
que os deveres do Estado
fossem mesmo pra valer
e acabassem o padecer
do povo que chora e sente
para um povo independente
sujeito, não risque o “s”
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

No Brasil onde a ciência
é posta em segundo plano
nosso povo a cada ano
perde a sua inteligência
político sem decência
pois não fala francamente
mas o povo certamente
eu sei que nunca esmorece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

No País do futebol,
novela, sonho e burrice
foi isso qui mãe me disse
em manhãs claras de sol
não se cala o rouxinol
que canta lá na vertente
qual trabalha persistente
do fio que a aranha tece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Se o nordestino não fosse
um povo bom e pacato
garanto, quebrava o prato
que mandam cheio de doce
maldizia alguém que trouxe
miséria e mágoa somente
se em fevereiro é contente
para que esquecer da prece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Eu tenho pena do povo
que luta para viver
no país onde o PC
roubou e rouba de novo
vendo a mãe partir um ovo
pra quatro ou cinco vivente
e a fome dos inocente
é tanta quando adormece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Acredito no sertão
qui é terra de cabra macho
pois nas águas do riacho
corre o sangue da canção
embora lhe falte o pão
para ser sobrevivente
é amigo, bravo e decente
é forte, quando padece
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.

Se meu nordeste lutasse
por dias de glória e paz
nosso povo nunca mais
tirava o riso da face
se toda esperança nasce
vou sorrir alegremente
só no plantar da semente
eu conheço se ela cresce
se o nordestino quisesse
era tudo diferente.


ELA FINGE MAS EU SEI
QUE AINDA É DOIDA POR MIM
Carneiro Portela


Ela zomba quando eu canto
me assusta quando lhe busco
não quer saber se me ofusco
quando me bota quebranto
não posso negar o tanto
do sonho que acho ruim
é por isso que vivo assim
no maior dos aperrei
ela finge mas eu sei
que inda é doida por min.

Um homem da minha idade
que não caçoa e nem diz
que a gente pra ser feliz
não pode sentir saudade
e se não fosse a amizade
que ela já me teve, enfim
não plantava no jardim
que toda vida eu reguei
ela finge mas eu sei
que inda é doida por min.

Inda tentei lhe querer
mas ela me pôs de banda
só um recadinho me manda
para eu não me aborrecer
pedindo para eu viver
bem longe do seu carim
diz no bilhete: - Toim
se arrede, saia do mei
ela finge mas eu sei
que inda é doida por mim.

Pedi que ela devolvesse
as cartas que lhe escrevi
resposta não recebi
dum assuntozim como esse
mas se ela me aparecesse
eu lhe contava tudim
do princípio até o fim
do jeito que me enganei
ela finge mas eu sei
que inda é doida por mim.





CARNEIRO PORTELA


"Sou um caboclo peitudo
desses da rede rasgada
eu nunca temi a nada
todo tempo topo tudo
nasci, cresci, tive estudo
sou filho de camponês
me criei pegando rês
num bom cavalo de cela
eu sou CARNEIRO PORTELA
este amigao de vocês"





"E VIVA A ARTE DO MEU POVO!!!"

3 comentários:

  1. oi carneiro portela eu sou aqui do interior de fortaleza e queria muito que o senhor se pudese mim dizer que era aquela dupla que se apresentou no ultimo domingo 31/10/10.Eu achei muito interresante eu so sei um trecho da musica"entaõ eu mim sinto como uma pétala quendo cai da flor" se o senhor conseguir de alguma forma mim enviar o video ou a letra dessa música eu agradeceseria muito.tamys_torres@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, Carneiro Portela sou estudante ee estou fazendo uma pesquisa sobre você mais tenho poucas informações !! queria saber um pouco mais de você da sua infância ... Preciso da suua ajuda por favor !!
    qualquer coisa mantenha contado em :
    isadora-vc@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. carneiro portela sou seu fa. meu nome e vicente. moro no vila velha. vc um dia resito uma poesia no seu programa. na tv. faz tempo. era sobre um medingo que passave numa casa. mais na realidae era jesus. era +- por ai. queria muito ter essa poesia como faço. desculpe si não soube mim espressa.não sou mutio pratico com conputador não. um abraço. email e. selvajpmv@hotmail.com.

    ResponderExcluir